Quando os relacionamentos se acabam

Outro dia estava na sacada da minha janela e comecei a pensar sobre relacionamentos e no quanto eles são frágeis. Passamos a vida querendo construir pontes sólidas que nos levem as pessoas. Até que chega um momento que conseguimos. Temos amigos suficientes para realizarmos viagens, festas, eventos, para rir até doer à barriga, para assistir a um filme que acabou de estrear e até aquele amigo que paga tudo somente pelo prazer de ter a nossa companhia.

Amigos que podemos compartilhar a vida de olhos fechados e que estarão sempre conosco até nos momentos mais difíceis da nossa vida. Esse tipo de amizade não é construído de uma hora para outra, mas exige dedicação, tempo e esforço. Até adquirirmos confiança nesse ponto em alguém, é bem possível que tenhamos passados por altos e baixos. E o não desistir fez toda a diferença.

Você precisa concorda comigo que tudo isso requer cuidado, atenção, olhar atento e principalmente entrega. Mas, mesmo depois disso tudo, as amizades e os relacionamentos podem acabar. É duro ouvir isso. Contudo, mesmo depois de tanto empenho, as pessoas podem partir. Elas podem sair da nossa vida por causa das circunstâncias, da distância, da frieza causada pelo afastamento, pelas expectativas que não foram supridas — apesar de que, ninguém tem que suprir as expectativas que nós criamos — ou pela frustração. O importante aqui é você saber que elas podem partir. E a culpa não vai ser delas, muito menos nossa.

Eu costumo acreditar que algumas pessoas vão passar pela nossa vida para nos ensinar alguma coisa, ou para que elas aprendam conosco. Outras pessoas não vão apenas passar, mas vão permanecer. E o enfoque que eu quero dar aqui é no quanto à gente gasta tempo construindo relacionamentos eternos com pessoas falhas. Não entenda com isso que eu estou dizendo que é errado você se relacionar, até porque é bíblico termos amigos. Se um cair o outro levanta. Mas sim, quero enfatizar o quanto nossa preocupação está somente nisso. O quanto gastamos a nossa vida em termos intimidade com todos, menos com aquele que anseia ser nosso amigo íntimo.

Muitas vezes alimentamos tanto a nossa amizade com as pessoas, focamos tanto nisso, que nos esquecemos de edificar o nosso relacionamento com Deus. E não pense que relacionamento é somente orar, ler a bíblia todo dia e pedir benção e perdão a Deus. Relacionamento com Deus é algo mais profundo, mais consistente, mais real.

Quando as pessoas não correspondem as nossas expectativas e, portanto, a amizade/relacionamento começa a se esfriar, logo pensamos que somos rejeitados, que eles são chatos, que os amigos não prestam ou que existe algo de errado com a gente. Então, quando perdemos as pessoas de vez e nos sentimos sozinhos, abatidos, abandonados, e assim, nos voltamos para Deus. E sabe o que acontece? Percebemos — quando percebemos — que não tínhamos uma intimidade com Cristo suficiente para sabermos quem somos nEle.

Sentimos vontade de voltar ao início da convivência com Ele, todavia, descobrimos que não temos pontes construídas, o que impossibilita, no primeiro momento, à volta. Mas o legal de tudo isso é que Cristo deixou uma ponte construída, pois Ele sabia que em vários momentos iríamos precisar.

E sabe? Eu quero dizer a você que devemos sim, focar no nosso convívio com as pessoas, criar laços de amizades duradouros, mas devemos muito mais, construir uma amizade com Deus. Como Moisés que se recusou a subir sem a presença do Senhor. Como Jó, Enoque e Noé que foram considerados amigos íntimos de Deus (Gênesis 5:22; Êxodo 33:11-17; 2 Crônicas 20:7; Jó 29:4; Isaías 41:8; Atos 13:22; Tiago 2:23).

É o anseio de Deus que o conheçamos profundamente. O próprio Jesus nos chamou de amigo, nos fez irmãos em Deus. E como toda amizade, o relacionamento com Deus, ao ponto de termos intimidade profunda com Ele, exige um caminho de mão dupla. No qual eu falo e Deus escuta. Onde Ele fala e eu correspondo. Ter intimidade é fundamental, é caso de vida ou morte, pois se estamos com Ele temos vida, longe, só nos resta a morte. Que possamos sempre fazer uso dessa ponte que nos leva a Cristo.

Com amor,

Vanessa Pérola.

Follow on Bloglovin

Achada em sua graça, lugar que me faço feliz. Quando olho em seus olhos, sei quem realmente sou. Que as palavras aqui escritas, encontre repouso em seu coração! Não curto café, nem mimimi!