Os textos que desisti de enviar – Parte 1

Parte nº 1 – Medo da solidão

Capítulo 10 – Se me amava, por que partiu?

Juro que estou tentando voltar a minha atenção para outras coisas, que de preferência, não envolvam você. Que não me mostrem o quanto eu vou senti a sua falta. Mas tem sido bastante complicado me desligar de tudo aquilo que nos prende. Assistir um filme na TV, ouvir uma música, ler um livro e até mesmo deitar para dormir, qualquer coisa que eu faça, eu bem sei, me faz lembrar tudo que temos, ou melhor, que tivemos. Desculpe, ainda não me acostumei com o fato da nossa história ter que ser narrada no passado.

Mas o fato é que, ainda não entendo por que você disse que me amava e de repente precisou partir. Mediante a isso preciso confessar que tenho chorado e, meio que inconsciente, ainda espero você voltar. E por mais que me doa escrever isso, eu percebi que seu coração tem outros planos.

E desde que você se foi, tenho me privado de tudo. Vivo com o celular em modo avião. E sobre dormir? Não sei mais o que é isso. Estou me esforçando para colocar minha cabeça no lugar e não pirar de vez, mas as lembranças são reais e pulsam cada vez mais forte.

Eu precisei me colocar em off-line, ficar sozinha e relaxar a cabeça no travesseiro. Preciso organizar as coisas dentro de mim antes de sair ao mundo novamente. Preciso estar em equilíbrio comigo, com o meu coração e com tudo aquilo que perdi. Tenho notado o quanto foi importante parar por um momento para não parar de vez. Foi necessário fechar a porta e deixar uma fresta na janela.

Enquanto isso, as lágrimas rolam num loop infinito, tornando-se minhas companheiras. Elas suspendem o pesar e evitam o sofrimento, mesmo que por um momento. E a cada dia tenho buscado uma saída diferente, porque não sei por qual caminho devo trilhar. Todos os outros já haviam sido traçados sempre da mesma forma, ao seu lado.

É difícil pensar no tanto que a minha rotina precisou ser alterada. Tinha costumes que eram só meus, passaram a ser de nós dois e agora preciso encontra-los novamente. Preciso me encontrar novamente. É, tenho que aprender a fazer tudo de novo e sozinha. E o engraçado é que nascemos assim, e por esse motivo, o de caminho de volta deveria ser mais fácil. Mas, infelizmente, não é…

Mas pensa comigo, me diz se não é complicado encarar a vida a sós, depois que se acostuma a andar acompanhado. E a vida não facilita, ela manda a conta daquela dependência emocional, e então percebemos o quanto ela é alta. Pesa no pensamento na mesma medida que esmaga o nosso coração.

Quando alguém se vai, a nossa casa fica vazia, cheia de ecos e mal assombrada. É inevitável ter medo do próximo passo. E dói. Como dói pensar em recomeçar, quando tudo o que eu mais queria era apenas continuar. Mas por ora eu só tenho a fé de que o céu vai voltar a brilhar para mim. A minha esperança vai voltar e como no fim de um pesadelo, ao abrir os olhos, vou enxergar que tudo não passou de um péssimo sonho. E então, eu vou encontrar a verdadeira felicidade.

“Caso queira compartilhar o conteúdo, bem como imagens, textos, projetos ou postagens deste site, redirecione um link para este blog o apontando como fonte original.
— Todos os direitos autorais deste site e da autora são reservados e estão protegidos por lei.”
© 2017 – Vanessa Pérola. Todos os direitos reservados.

Cristã. Estudante de psicologia, amiga e sonhadora. Inquieta e tagarela. Amante dos cachos, apaixonada por vírgulas. Posso dizer que amo estar envolvida nas questões sociais e fazer novas amizades. Sempre aberta ao diálogo e a dar conselhos sobre os mais diversos temas. Amo escrever e por isso criei o blog. Um sonho: ter um livro publicado! Quer conversar? Chama nas redes sociais ou no email, será muito legal bater um papo com você.