Os textos que desisti de enviar – Apresentação

Apresentação 

Tudo aquilo que eu nunca disse.

Desde pequena eu gosto de escrever. Consigo recordar facilmente de alguns cadernos cheios de rabiscos e algumas palavras escritas aleatoriamente, que juntas formavam uma frase, que logo terminava em longos textos. Uma certa vez, ganhei de presente de aniversário, uma agenda que vinha com uma chave. Essa pessoa tinha deixado escrito: escreva sobre tudo o que você sente e todas as coisas que envolvem a sua vida. E assim fiz. Desde então, comecei a enveredar por esse caminho de escrever e manter de forma secreta todos os meus sentimentos, sejam eles bons ou ruins.

Cresci achando ser feio sentir, ou mostrar o que se sente. Em minha casa ninguém demonstrava, por aí você já pode perceber que eu não tinha muita base acerca disso. Mas mesmo assim, algumas vezes, eu ousei mostrar o que sentia. Sem muito sucesso.

Por não saber demonstrar, me via presa e confusa. Nesses momentos tudo o que me restava era escrever. E como isso funcionava! Era uma forma maravilhosa de aliviar o turbilhão de coisas e sentimentos que existiam em meu peito.

E sabe, algumas vezes em nossa vida, insistimos em viver com as migalhas que sobraram de determinados relacionamentos. Como se isso nos bastasse e não houvesse mais esperança de ser feliz sem o outro. Lutamos, resistimos, fazemos de tudo para trazer de volta alguém que foi embora por vontade própria. E nesses momentos, algumas feridas são abertas. Feridas essas que se não forem tratadas poderão doer por um bom tempo.

O rompimento traz consigo o medo da solidão, a sensação de que nunca mais viveremos dias felizes ao lado de outra pessoa. Porém, ao passar os dias de tristeza, saudade, mágoa, desespero, desesperança e o medo de se entregar novamente, precisamos levantar e seguir em frente. E nesse momento, vencer as desculpas se torna fundamental. Mas eu bem sei que o caminho para a superação não é fácil, mas se forem encarados como necessários, a gente consegue.

E quando a gente chega nessa fase do ajustamento das emoções, precisamos abrir as portas e nos conceder uma nova chance. Nos permitir a viver novamente é fundamental e nos ajuda a crescer e a sermos saudáveis no desenvolvimento de outros relacionamentos.

 

Abraço,

Vanessa Pérola.

Clique aqui e me siga no Wattpad. 

“Caso queira compartilhar o conteúdo, bem como imagens, textos, projetos ou postagens deste site, redirecione um link para este blog o apontando como fonte original.
— Todos os direitos autorais deste site e da autora são reservados e estão protegidos por lei.”
© 2017 – Vanessa Pérola. Todos os direitos reservados.

Cristã. Estudante de psicologia, amiga e sonhadora. Inquieta e tagarela. Amante dos cachos, apaixonada por vírgulas. Posso dizer que amo estar envolvida nas questões sociais e fazer novas amizades. Sempre aberta ao diálogo e a dar conselhos sobre os mais diversos temas. Amo escrever e por isso criei o blog. Um sonho: ter um livro publicado! Quer conversar? Chama nas redes sociais ou no email, será muito legal bater um papo com você.

  • Priscila Gonçalves

    Super me encontro nesse texto. Tb sempre achei feio me expor, sorte que devagar fui aprendendo, e ainda tenho muito o que aprender. Às vezes falo coisas e me arrependo, mas sei q foi necessário (hoje mesmo aconteceu isso). Senao a gente fica presa numa vida q nao gosta, né?
    Lindo o texto, escreva mais, publique e compartilhe
    Bjs

    • Prih, sua linda! Que legal ler seu comentário! Olha teho aprendido a ser assim tbm na escrita. Devargazinho tenho para de me comparar e tenho soltado as palavras, isso tem sido libertador também! Obrigada pela feedback!