Nêssa, e agora? Tudo se acabou.

Pra quem não me conhece eu sou Vanessa Pérola, tenho 25 anos, graduanda de psicologia, dotada de alguns excelentes amigos, e sempre aconselho meninas que me procuram para obter ajuda sobre algum problema que elas passam. Quase sempre – ou sempre – esse tal problema está relacionado com alguma desventura amorosa, e eu acho o máximo isso, porque acredito que naquilo que você foi mais provado, ou mais sofreu, será nisso em que o Senhor irá lhe usar.

Porém, eu não somente aconselho, mas acompanho e tento discipular, o que não é uma tarefa muito fácil. Acredito que toda forma de aconselhamento precisa direcionar a pessoa ao centro da vontade de Deus, a dependência dEle e ao seu cuidado. Mas muitas meninas querem apenas alguém que as ouçam contar seus lamentos, decepções e nada mais. Não querem renunciar as suas vontades para obterem mudança de vida.

Quando escuto alguém e me disponho a orar pela vida dela e a acompanha-la, me disponho também a confrontar a sua atual realidade e o que ela espera da vida de agora em diante. Muitas se sentem decepcionadas, pois querem apenas ficar se vitimizando e remoendo as mágoas. E ao contrário delas, entendo que esse é o momento de conhecermos o verdadeiro amor, Jesus Cristo.

Mas, deixando a hipocrisia de lado, sei bem que, isso nem de longe é uma tarefa fácil. É um período difícil, doloroso, marcante e constrangedor. É como se você estivesse vivendo um luto, a única diferença é que a pessoa pela qual se está enlutada, está viva. Então, começam as perguntas e as dúvidas.

Como lidar com essa situação? Como conviver com toda essa nova formatação? Agora tenho que abandonar sonhos, planos, interesses, saber que aquela pessoa não vai mais fazer parte da minha rotina e de quebra enfrentar comentários maldosos – ou não – vindo de todos os lados. É tudo muito complicado, e eu que já passei por isso duas vezes sei o quanto parecia que meu mundo havia acabado. Mas, existiu algo que fez toda a diferença no meu segundo término, buscar conhecer o amor incomparável de Cristo.

Sofria muito e estava colocando a culpa em tudo e todos a minha volta. Queria de alguma forma que aquela dor acabasse e como num passe de mágica eu estivesse pronta para um novo amor — um novo homem para ser bem sincera. Mas, eu tive a felicidade de encontrar em meu caminho alguém que me confrontasse e me mostrasse o que de fato deveria ser feito.

Quando você percebe que seu mundo não está acabando e sim recomeçando, é possível enxergar o término com outra perspectiva. Vai ter sim um momento de luto, choro, desilusão e amargura, afinal somos feitos de carne, osso e emoção. Cada pessoa responde de forma diferente e cada um tem o seu tempo, e respeito muito isso, a individualidade. Mas amiga, quando esse tempo passar é preciso enfrentar a realidade e acordar pra vida.

Você agora pode decidir se quer continuar sendo alvo fácil para outros homens ou se quer ser uma mulher totalmente completa e curada nas suas emoções. Eu optei por ser uma mulher curada, só não imaginava o que isso acarretava. Passei pelo processo mais doloroso e maravilhoso da minha vida. E tudo começou com um confronto na minha forma de pensar, no meu comportamento vicioso, na minha forma errada de enxergar a Deus e no meu caráter. Dei licença a Cristo para entrar e mudar tudo o que precisava, e ao fazer isso, Ele me mostrou cada coisa obscura que impedia o meu conhecimento da sua paternidade e do seu amor.

Quando você vive na dimensão do amor de Deus, não é qualquer falta de ‘amor’ que te abala. E aprender isso foi difícil, porque vivia achando que só seria completa quando encontrasse o grande amor da minha vida e casasse com ele. Sobre achar o grande amor da minha vida eu estava certa, porém ele não tinha uma forma de homem como eu, que sou falha, limitada e prevísivel. Cristo mexeu em mim de tal forma ao ponto de me deixar totalmente vazia de todos os sofismas, pensamentos e conceitos, então Ele preencheu cada canto vazio com o seu amor. Fui me sentindo tão completa que aquilo me assustava. Passei a não depender mais do amor das pessoas, e digo isso relacionado aos meus amigos também.

Muitas vezes criamos vínculos de dependência nas nossas relações e, quando somos descartados sofremos horrores, porque ninguém gosta de ser rejeitado. Mas quando você tem o amor de Cristo intrínseco em sua vida, a perda não te abala mais como antes, ela agora serve como alerta para sabermos onde estamos semeando. Esse amor te faz não gerar expectativas sobre algo ou alguém, mas criar esperança nEle, afinal toda expectativa é humana e por isso pode falhar.

No meu primeiro término eu não aceitei nenhum tipo de confronto e por isso quebrei a cara e sofri novamente. Hoje coloquei como missão levar o máximo de meninas a esse tipo de confronto que nos leva ao conhecimento de quem é Cristo e de quem somos nEle. Quando descobrimos que somos amadas e que nada pode, de fato, nos separar desse amor, passamos a não mais mendigar o amor alheio, porque o amor é algo grande demais pra ser mendigado, pra ser implorado. Entendemos que os planos de Deus são os melhores e que no momento certo, Ele vai me apresentar a alguém tão completo nEle quanto eu e então o amor vai transbordar. Eu vou saber guardar meu coração e entrega-lo somente no altar e mesmo que eu namore outra pessoa e ela venha terminar comigo, o meu mundo não vai mais acabar, porque eu sei quem me sustenta e, sei onde meu coração estava guardado, no centro da vontade do Pai. E assim, compreendo que foi o melhor para mim.

Diante de tudo isso, quero encorajar você a permitir o confronto,  a sair da posição de rejeitada e se enxergar como amada do Senhor. Permita-se, deixe Cristo mexer em cada canto do seu ser e lhe mostrar o seu potencial. Saia da zona da comiseração para zona da justificação em Cristo. Esse seu fim  pode ser apenas o início de um novo começo, mas isso depende apenas de você.  Creia e tome uma atitude hoje mesmo.

Em amor,

Vanessa Pérola ♡

Cristã. Estudante de psicologia, amiga e sonhadora. Inquieta e tagarela. Amante dos cachos, apaixonada por vírgulas. Posso dizer que amo estar envolvida nas questões sociais e fazer novas amizades. Sempre aberta ao diálogo e a dar conselhos sobre os mais diversos temas. Amo escrever e por isso criei o blog. Um sonho: ter um livro publicado! Quer conversar? Chama nas redes sociais ou no email, será muito legal bater um papo com você.